CEO

II ENCONTRO IBIAPABANO DAS ATENÇÕES EM ODONTOLOGIA.


DSC_0353

O presente encontro tem como objetivo debater questões voltadas a Saúde Bucal da Serra da Ibiapaba, com os municípios que compõe o Consorcio de Público de Saúde da Ibiapaba – CPSI da Ibiapaba, Carnaubal, Croata, Guaraciaba do Norte, Ibiapina, São Benedito, Tianguá, Ubajara e Viçosa do Ceará. São os seguintes:

Geral:

  • Otimizar a Atenção Odontológica Primária e Secundária dos municípios de: Carnaubal, Croatá, Guaraciaba do Norte, Ibiapina, São Benedito, Tianguá, Ubajara e Viçosa do Ceará.

 

ESPECÍFICOS:

  • Conhecer as fragilidades que causam o emperramento do fluxo:

ATENÇÃO BÁSICA – CEO – ATENÇÃO BÁSICA;

  • Propor meios para minimizar os problemas e maximizar os resultados;
  • Atualizar os conhecimentos dos Profissionais de odontologia da Ibiapaba sobre “Câncer de Boca”;

 Deflagrar a grande “Campanha de diagnóstico, Controle e Prevenção do Câncer de Boca”.

DSC_0359

PRIMEIRO DIA:

Para a composição da mesa de abertura do evento foram convidados as seguintes pessoas: Dra. Iolanda Teles Gomes, Diretora Geral do CEO, Dr. Ari de Oliveira Vasconcelos Filho, Diretor Administrativo do CEO, Dr. Edgar Diretor da 13º CRES, Dra. Gandavya Diniz, diretora da Regional de Saúde, Dra. Elen Prata de Queiroga, Coordenadora de Saúde Bucal de Guaraciaba do Norte, representado os Coordenadores de Saúde Bucal dos Municípios consorciados, finalizando Dra. Alessandra Secretaria de Saúde de Ubajara representado o Prefeito de Ubajara, Sr. José Romão.

Com a palavra Dra. Iolanda, que parabeniza aos dentistas e fala da importância que cada um tem, seja atenção básica, ou atenção secundária na composição e elaboração desse trabalho. Fala dos objetivos e de como o evento anterior contribuiu para um melhor atendimento no CEO.

Em seguida Dr. Ari agradece a mesa e a diretora do CPSI Dra. Socorro Frota Magalhaes, bem como todos os envolvidos na realização do evento. Apresenta a dinâmica do encontro e de como cada mesa redonda irá ser trabalhado. Para  o  turno  da tarde a sugestão é a apresentação dos temas abordados em cada mesa, tendo em vista que serão trabalhadas por especialidades. Dessa forma pode estabelecer ligação entre CEO e atenção Básica.

Dra. Alessandra Albuquerque, cumprimenta a mesa na pessoa da Dra. Iolanda, os dentistas na pessoa Dr. Ari Filho, fala da grande importância do evento não só para Ubajara quanto para os demais Municípios, e o quanto Ubajara é privilegiado em sediar um evento desse porte. Dessa forma esta se capacitando a Atenção Básica e qualificando-a para a população que tanto necessita.

Dr. Edgar parabeniza por essa iniciativa não só por parte do CEO-R, mas também por parte dos Munícipios em estarem capacitando os profissionais da atenção básica e secundária.

Dra. Elen, fala do Encontro como um momento importante na Saúde Bucal, saúda os coordenadores e fala da dificuldade que cada município enfrenta na saúde bucal, além da troca de experiência que se adquire durante um evento como esse.

Para Dra. Gandavya, o encontro simboliza a união entre atenção básica e secundaria. E que o CEO – R de Ubajara está classificado como um dos melhores do Ceará. Relembra as dificuldades encontradas pelo CEO de Ubajara em seu inicio. E hoje serve como base, referência para os demais. Quanto a Atenção Básica os pacientes só chegam ao CEO –R, através do empenho de seus profissionais.

Sua proposta é que realizem ao menos uma vez no mês reunião entre CEO os coordenadores, para assim melhorar ainda mais a integração entre CEO-R e municípios.

Após a abertura do evento, os profissionais se dirigiram ao espaço previamente preparado para realização das mesas redondas por especialidades, Cada mesa segue roteiro proposto pela administração do CEO-R em parceria com os Coordenadores de Saúde Bucal de cada Munícipio.

Tendo como objetivos conhecer e debater as fragilidades que causam algum emperramento do fluxo: atenção básica → CEO → Atenção Básica, assim propor meios para minimizar os problemas e maximizar os resultados.

► DIRECIONAMENTOS:

  • Sistemas de encaminhamentos:

1 – Entrave do encaminhamento

2 – Entraves da Central de Marcação dos Munícipios;

3 – Entraves da Adequação;

4 – Entraves do CEO.

5 –  Sugestões para cada Itens

Seguindo a divisão dos Grupos de Trabalhos, seguiu-se a sequencia: CTBMF, ENDODONTIA, PACIENTES COM NESCESSIDADES ESPECIAIS OU P.N.E, PERIODONTIA, PROTESE, ORTODONTIA, cada mesa com seus respectivos representantes do CEO-R, cada coordenador ou profissional da atenção básica ficaria livre para escolher em qual grupo de estudo iria participar.

Os pontos a serem debatidos por cada grupo seriam os mesmos, porém as especialidades e os profissionais ficariam livres na elaboração do roteiro, tendo em vista que cada Grupo iria apresentar resultados dos debates do período da tarde.

CTBMF – Segundo Dr. Adjair Jairo grande parte das pacientes de acidentes de moto que chegam ao CEO com trauma facial, são vítimas da falta do uso do capacete. Preenchimento correto das referencias. O grupo sugeriu também que fossem criados protocolos farmacológicos para prescrição na Atenção Básica.

ENDODONTIA – Dra. Daniele fala sobre erros de preenchimento de referencia, pois, muitas vezes chegam pacientes com referência e procedimentos errados. O ideal seria o paciente passar pela central de marcação e assim ver se a referencia estar preenchida corretamente. Se houver mais de uma referencia, carimbar e assinar e conferir se realmente não falta nada a ser corrigido.

PACIENTES COM NECESSIDADES ESPECIAIS OU P.N.E. –0 cirurgião dentista responsável pela especialidade PNE não estava presente, ficando o CEO representado na mesa por Ari, (Diretor Administrativo do CEO), sendo a especialidade apresentada por Ari e  Dr. Edgar. Foi discutido que as vagas ofertadas para os municípios, não estavam sendo completamente utilizadas e que Carnaubal, por exemplo, tem necessidade de mais vagas, devido ter lista de espera, a sugestão e que houvesse uma comunicação entre os coordenadores para troca de vagas ociosas. Pautado também que, não poderá ser encaminhado as referências de odontopediatria para PNE. Pacientes com deficiência, porém com possibilidade de atendimento normal, deverão serem tratados no PSF e na necessidade de atendimento em alguma especialidade ser encaminhado para a referida especialidade, não sendo necessário o encaminhamento para PNE. Ficou acordado que os dentistas da atenção básica em reunião com os ACS solicitassem desses profissionais uma busca ativa de pacientes com necessidades especiais. Novamente, reclamação de referencia preenchida errada. Pois são encaminhados pacientes sem perfil para o P.N.E. A sugestão seria protocolar os pacientes com CID e fazer uma triagem e assim encaminhá-los adequadamente.

PERIODONTIA – O teste da linguinha deverá ser feito no hospital, será encaminhado para o CEO apenas os pacientes a partir de sete anos para realização do freio lingual. As referências deveram vir em três vias.

Referencias:  Preencher corretamente, indicando o procedimento, número do dente (se houver) e especialidade. Fazer em 3 vias.

Se o paciente tiver que ser encaminhado para aumento de coroa clínica e tratamento endodôntico, fazer primeiro a urgência na UBS, encaminhar para periodontia e só depois para endodontia.

Se for necessário instalação de pino e coroa, conversar a respeito com o paciente antes de encaminhar para o CEO.

Frenectomia labial, só deve ser encaminhado com a indicação do ortodontista ou se for necessário para fechar o diastema com resina. Indicar na referência se é labial superior ou inferior. Frenectomia labial inferior pode ser indicado para melhorar a higiene em casos de recessão gengival, encaminhar o paciente para avaliação.

Frenectomia lingual só deve ser encaminhado a partir dos 6 anos de idade. Antes disso é necessário fazer em ambiente hospitalar.

Se não tiver condições de realizar raspagem supragengival na UBS, o paciente pode ser encaminhado para o CEO.

Fazer uma adequação (remover raízes residuais e fechar cavidades) antes de encaminhar para tratamento periodontal.

Regularização de rebordo deve ser encaminhado para Cirurgia Buco Maxilo

Pacientes gestantes que apresentarem sangramento gengival devem ser encaminhadas para acompanhamento no CEO.

Pacientes especiais (neurológicos) devem ser encaminhados primeiro para PNE e se necessário o especialista em PNE encaminha para Periodontia.

PRÓTESE – Foi solicitado que as referências chegassem ao CEO em três vias. Protocolos de encaminhamentos: Avaliação prévia, orientações quanto ao número de sessões, Disponibilizado RX panorâmico.

ORTODONTIA – CEO:

Adequação necessária do paciente. Muitas vezes os pacientes chegam ao CEO, sem adequação para dar inicio ao tratamento de ORTO. MUNÍCIPIOS: O tempo de espera é demasiado longo, sendo essa uma das causa da falta de adequação dos pacientes, tendo em vista que o PSF, adequa e solicita o tratamento, porém o paciente demora muitas vezes anos para iniciar, dessa forma fica impossível que o mesmo ainda esteja adequado. IDADE – Para o CEO, o conveniente é que se obedeça a uma idade máxima para o encaminhamento de Ortodontia, a idade ideal seria no máximo 16 anos, porém se o paciente foi encaminhado aos 16 anos e a vaga surgiram anos depois, segue o protocolo vigente da data de encaminhamento, ou seja, o paciente não perdera a vaga tendo em vista que o mesmo foi encaminhado na idade proposta, o que vai definir será a data na referencia. CLASSE III ̸ ORTOGNATICA – CEO – Não há necessidade de obedecer aos encaminhamentos de ortognatica, faz o agendamento para o setor de CTBMF e juntamente com o ortodontista avalia quanto a real necessidade de adequar ou não para a Cirurgia de Ortognatica. MUNICIPIOS – A proposta seria pra que o próprio dentista avaliasse os pacientes oriundos dos municípios se há ou não necessidade de tratamento ortodôntico, dessa forma seria priorizada casos de maior necessidade evitariam assim as longas filas e expectativas para os pacientes.

DSC_0356

CENTRAL DE MARCAÇÃO: Mesa composta pelos representantes das Centrais de Marcação dos Munícipios consorciados.

Para o Munícipio de Viçosa o sistema de marcação não há problema, a dificuldade está na falta do Transporte Sanitário que por vezes devido à manutenção não é possível fazer o translado do Município para o CEO. Para um melhor acompanhamento com os pacientes existe, uma parceria entre a Central de Marcação e ACS.  A dificuldade está apenas na falta de estrutura predial, e acesso à internet e telefone.

Para o Município de Carnaubal, a dificuldade está na hora de localizar o paciente, pois a agenda é disponibilizada próximo as data de agendamento, o que dificulta a localização dos pacientes, tendo em vista que os mesmos residem em locais distantes.

Para Ubajara, Não há dificuldade em transporte e existe as vantagens das vagas extra sistema, devido a proximidade dos pacientes e pelo fato do CEO está inserido no município. O fluxo dos pacientes é muito bom. Quanto a localizar pacientes e a estrutura predial para o município não há problema, porém especialidade de ortodontia, devido a demanda ser muito grande tem seus entraves. Assim como a odontopediatria que está sem profissional a ideia seria aumentar as vaga de orto;

Para Ibiapina, o sistema muitas vezes não funciona. Dessa forma liga-se para o CEO e pede para ser atendido extra sistema. Falta estrutura física favorável a marcação, impressora e telefone, mais uma vez é cobrada a contratação de um profissional para odontopediatria.

Tianguá: o Sistema muitas vezes não permite a visualização das vagas. Além da dificuldade em entrar em contato com os pacientes e por muitas vezes ficam sem atendimento por não estarem com o boleto do sistema.

DSC_0360

APRESENTAÇÃO DOS GRUPOS DE TRABALHOS

Com o retorno das atividades, segue apresentação de um vídeo com o título de “carta a você em 2070” que fala sobre a importância da agua na vida humana, em seguida iniciam-se as apresentações dos Grupos de trabalho:

ORTODONTIA: Representantes Dra. Denise e Dr. Jorge:

  • Pacientes inadequados por conta da demanda ou por falta de anamneses – Sugestão: se não houver possibilidade em adequar o paciente informar na referencia o motivo pela a falta de adequação do paciente.

Obs: Dr. Ari Filho fala do receio em enviar pacientes sem a adequação necessária, pois o paciente teria que retornar para atenção básica, a sugestão seria que antes de enviar a lista de pacientes para o inicio do tratamento, procurar adequá-los novamente, ou seja, reavaliá-los, e procurar ao máximo fazer o tratamento necessário, se não for possível darcontinuidade ao tratamento após seu encaminhamento para o CEO. Procurar fazer essa adequação seguindo a ordem da lista de espera.

  • Referência sem anamnese: O paciente deve ser avaliado pelo profissional, mesmo que seja pressionado a dar referência, o usuário só deve ser encaminhado mediante avaliação do dentista;
  • Classe III – Cirurgia Ortognática: o paciente é encaminhado ao CEO, este faz a adequação (tratamento ortodôntico pré-cirúrgico) e o município encaminha para o Hospital Waldemar de Alcântara.

Com a palavra, Dr. Ari Filho, Antes era o próprio CEO que encaminhava os pacientes de cirurgia ortognática, porém o agendamento agora fica com os municípios. O CEO não tem acesso à marcação do Setor Terciário. Os pacientes com traumas e com necessidade de Cirurgia Ortognática, devem ser encaminhados pelos seus respectivos municípios.

Dra. Elen fala da dificuldade que os municípios têm ao agendar procedimentos para atenção terciária. Dr. Ari Filho fala que são disponibilizadas mensalmente duas cotas extras para consulta em traumato-buco-maxilofacial(hospitalar), para os municípios.

ENDODONTIA: Dra. Daniele, Dr. Fabiano, Dra. Kleuviany e Dra. Lana, como representantes do setor de Endodontia do CEO-R:

  • Deficiência de material gráfico nos PSF: As referências devem vir em três vias, ao termino do procedimento, o profissional do CEO deve entregar uma via ao paciente, outra ao município e uma para registro no portuário. É importante que o usuário retorne ao PSF com uma via da referencia solicitada pelo próprio dentista de seu PSF. Na ausência dessa via o CEO tem uma contra referencia para o usuário, porém o ideal é que seja uma referencia do próprio município;
  • Avaliação Clinica adequada, Referência com preenchimento errado: Inúmeras são as vezes que as referencias chegam ao CEO com seu preenchimento errado, com numeração de elemento dentário errado. Ficando acordado que se voltar a se repetir tal erro, o usuário deverá retornar ao seu PSF e solicitar uma referência correta e assim retornar ao CEO-R. Salientando também que para cada elemento dentário é necessário uma referência. A sugestão seria ver com o paciente qual o elemento dentário se encontra com maior necessidade;
  • PERIO ̸ ENDO. No caso do mesmo paciente precisar fazer outro procedimento como PERIODONTIA, encaminha primeiro para periodontia e em seguida fazer o agendamento para endodontia. Procurar sempre fazer as prescrições por escrito, assim ser respaldado para uma eventual necessidade jurídica.
  • Restauração: O paciente tem no máximo 30 dias para fazer a restauração do dente feito o tratamento do canal, dessa forma evita-se que o tratamento se perca. Município – Segundo alguns dentistas dos PFS’S muitas vezes os pacientes querem obrigar o dentista fazer a restauração no mesmo dia que ele procura o PSF, porem algumas vezes não tem como encaixá-lo.

Dra. Daniele sugere que para evitar erros durante ao acesso do elemento dentário os dentistas que tiverem dificuldade podem ir até o CEO e passar um período de observação, dessa forma o dentista do PSF, faz um acesso adequado com uma restauração provisória e a possibilidade de perda dos dentes antes de chegar ao CEO é menor. Pois se sabe que a lista de espera é sem precedentes e por muitas vezes o paciente perde o dente antes de chegar ao Centro de Especialidades Odontológicas.

CTBMF – Dr. Adjair Jairo

  • Preenchimento correto da referência, pois é um documento jurídico;
  • Pacientes portadores de Necessidade Especiais devem ser encaminhados para o setor de PNE, após avaliação com o profissional deste setor, o mesmo decidirá avaliará se há necessidade de se encaminhar para os demais setores.
  • Trauma Facial, Altos índices de trauma de face, necessidade de uma campanha para o uso do capacete na região da Ibiapaba.
  • Câncer de boca. Priorizar e enfatizar a campanha de câncer bucal, buscando parcerias nos PSF para um público alvo que são os homens idosos, trabalhadores rurais e pessoas fumantes, para os caso de suspeita basta entrar em contato com a direção do CEO e encaminhar o paciente para avaliação com o Bucomaxilo do CEO-R.

PRÓTESE – Dra Ana Cristina, no geral todas as especialidades reclamam das referências que são preenchidas indevidamente, muitas vezes sem avalição prévia do paciente.

  • Procurar explicar os tipos de próteses dentárias feitas no CEO,
  • Colocar na referência o tipo correto que cada paciente necessita usar se prótese bimaxilar total ou prótese parcial removível.
  • DTM, a triagem é feito no UFC e não há necessidade de encaminhar para o CEO, a atenção básica pode fazer a solicitação e encaminhar o paciente para Sobral.

 

  • Procurar sempre explicar ao pacientes como são feitas as próteses no CEO, e em quantas sessões o paciente precisará ir até ao CEO, no caso se houver necessidade cirurgia, explicar ao paciente, dessa forma garante-se um tratamento adequado e uma melhor adequação da prótese no usuário.

P.N.E – Na especialidade de Pacientes Especiais o profissional do Centro de Especialidades Odontológicas não pode participar, as discursões em torno dessa especialidade ficaram a cargo do Dr. Ari Filho e Dr. Edgar.

  • Quem deve ser encaminhado. Pacientes com necessidades neurológicas ou distúrbios mentais. Pacientes com deficiência visual ou física, bem como hipertensos podem ser atendidos no PSF.
  • Atendimento Hospitalar. O setor de PNE realiza atendimento hospitalar nos Municípios, ou seja, o município cede o centro cirúrgico e a equipe de PNE do CEO faz o atendimento necessário ao paciente que não consegue ser atendido no CEO-R.

PERIODONTIA:

  • Referencias: Preencher corretamente, indicando o procedimento, número do dente (se houver) e especialidade. Fazer em 3 vias.

Se o paciente tiver que ser encaminhado para aumento de coroa clínica e tratamento endodôntico, fazer primeiro a urgência na UBS, encaminhar para periodontia e só depois para endodontia.

  • Se for necessário instalação de pino e coroa, conversar a respeito com o paciente antes de encaminhar para o CEO.
  • Frenectomia labial, só deve ser encaminhado com a indicação do ortodontista ou se for necessário para fechar o diastema com resina. Indicar na referência se é labial superior ou inferior. Frenectomia labial inferior pode ser indicado para melhorar a higiene em casos de recessão gengival, encaminhar o paciente para avaliação.

Frenectomia lingual só deve ser encaminhado a partir dos 6 anos de idade. Antes disso é necessário fazer em ambiente hospitalar.

Se não tiver condições de realizar raspagem supragengival na UBS, o paciente pode ser encaminhado para o CEO.

Fazer uma adequação (remover raízes residuais e fechar cavidades) antes de encaminhar para tratamento periodontal.

Regularização de rebordo deve ser encaminhado para Cirurgia Buco Maxilo

  • Pacientes gestantes que apresentarem sangramento gengival devem ser encaminhadas para acompanhamento no CEO.
  • Pacientes especiais (neurológicos) devem ser encaminhados primeiro para PNE e se necessário o especialista em PNE encaminha para Periodontia.

CENTRAL DE MARCAÇÃO:

  • Parceria com as ACS e Escolas na busca ativa dos pacientes, principalmente para as áreas de difícil acesso.
  • ESTRUTURA PREDIAL – Melhoria na estrutura física, tais como acesso a internet, telefone com planos para as operadoras. Impressora e material de expediente, bem como contratação de profissional para o Setor de Odontopediatria. Além de melhoria no acolhimento nas centrais de marcações.
  • TRANSPORTE SANITÁRIO – Aquisição de um transporte novo, para cobrir as intercorrências que ultimamente vem ocorrendo.
  • AGENDA: Recebimento da agenda pelo menos com 15 dias de antecedência e assim poder agendar adequadamente os pacientes. Dessa forma os pacientes não correm o risco de perder a consulta.

SEGUNDO DIA:

No Segundo dia do II ENCONTRO IBIAPABANO DAS ATENÇÕES EM ODONTOLOGIA foi deflagrado a Campanha de Diagnóstico, Controle e Prevenção de Câncer de Boca, inicia-se com a palestra TRATAMENTO EM CANCER ORAL, ministrada pelo Professor Doutor, Marcelo Ferraro, traumato bucomaxilo facial da UFC. O objetivo principal da palestra é reforçar e enfatizar a importância do exame clínico no diagnostico do câncer bucal, discutir realidades locais no enfrentamento das lesões orais, para isso o referido doutor Marcelo Ferraro, apresentou metodologias para o exame clinico.

Traçou uma analise do perfil do paciente que geralmente é idoso fumante analfabeto e que muitas vezes faz ingestão de bebidas alcoólicas. Para o processo de diagnóstico deve-se dar importância a uma boa anamnese, exame físico e exames complementares, analisar a queixa principal e buscar um linguajar acessível, ou seja, simples e direto.

A identificação do paciente e mais do que necessária, como nome, idade estado civil, sexo, raça, profissão e história medica. O preenchimento correto do prontuário, antecedentes de internações e medicamentos em uso.

Para o exame físico faz se necessário uma avaliação geral, pressão arterial pulso respiração, avaliação dos sinais vitais frequência ritmo cardíaco, frequência respiratória pressão sanguínea arterial.

Doutor Marcelo apresentou lesões, como Leucoplasia, público alvo e principais lugares propícios a seu desenvolvimento, a leucoplasia pilosa comuns em pacientes com HIV, Eritroplasia – placa vermelha que não pode ser diagnosticada clinica ou histopalogicamente como qualquer outra condição e que acomete em pacientes acima de 60 anos. Queilose Solar – lesão cutânea pré-maligna causada pela radiação ultravioleta

Pontos para a prevenção do CA de boca: estimular a prevenção, evitar diagnósticos tardios e reconhecimento precoce. A prevenção deve ser permanente e não apenas na semana do dentista, deve-se buscar parceria com as agentes comunitária de saúde, tendo em vista que essas conhecem a realidade de cada comunidade.

Para isso o ideal seria uma programação contínua, dessa forma, capacitar as ACS através de planos de ação, assim intensificar as visitas fazer uma busca ativa de pacientes propícios a Câncer de Boca.

Dr. Ari filho explana que de janeiro até maio de 2015, foram diagnosticados 10 casos de Câncer de boca na região da Ibiapaba, isso de 39 biópsias colhidas, dá um alarmante total de 25.6%.

Para Dr. Marcelo seria interessante essa busca ativa e assim poder diagnosticar se existe risco de CA na região ou se esses 10 casos foram esporádicos, e que poderia ter sido diagnosticado antes. O ideal para essa busca ativa seria no período de vacina para idosos, tendo em vista que o público alvo é o idoso.

Dr. Marcelo encerra propondo que em outubro fosse elaborada uma palestra e que as ACS fossem convidadas a participar

O evento foi encerrado com todo o êxito esperado. Na saída todos os coordenadores municipais receberam 04 (quatro) BANNER’s  com orientações sobre o auto exame de Câncer Bucal.

Ubajara, 03 de Junho de 2015

CENTRO DE ESPECIALIDADES ODONTOLOGICAS DR. ANTENOR ISAIAS DE ANDRADE – CEO –R DE UBAJARA